18 de ago de 2011

Mudança no projeto da Segunda Ponte prejudica investimentos em Foz

Licitação para início das obras da 2 ª Ponte estava prevista para julho, segundo DNIT 

Ao anunciar recentemente que pretende interligar o Brasil ao Paraguai com uma ponte bimodal, ou seja, uma ligação rodoferroviária entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, a presidente Dilma Rousseff fez com que retornasse à estaca zero a prometida ligação entre os dois países.

Se a intenção de Dilma se concretizar, o projeto licitado e pago pelo governo brasileiro junto à empresa de engenharia Valec há dois anos e meio no valor de R$ 5 milhões terá de ser totalmente refeito em virtude da mudança, já que contemplava apenas a passagem de veículos, e não de trens.

 “A falta de planejamento do governo é mais um exemplo gritante de desperdício do dinheiro público”, destaca o empresário Mário Camargo, diretor de Comércio Exterior da Acifi (Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu).

Mário esteve discutindo esse assunto com técnicos da Receita Federal brasileira, que reafirmaram que a ponte, diferente do que anunciou Dilma, será exclusiva para o tráfego rodoviário.“Esse impasse nos deixa apreensivos”, afirma.

O anúncio de Dilma foi feito mês passado em Assunção, capital do Paraguai, durante audiência com o presidente Fernando Lugo. “Essa notícia nos pegou de surpresa e foi como um balde de água fria para nós, já que esse processo estava deflagrado e em adiantado estágio de negociações, faltando apenas a abertura de licitação para o início das obras”, diz.

“Vários são os grupos dispostos a investir em Foz que aguardam uma solução do governo”


Segundo Mário, a Valec já estava finalizando estudo de acessibilidade à futura ponte, bem como já havia vencido etapas de audiências públicas para discutir o projeto.

A Acifi vai propor reunião com a ministra chefe da Casa Civil,Gleisi Hoffmann, para verificar se consegue pelo menos saber se será um ou dois modais. “Por uma questão de necessidade e agilidade do processo, defendemos o modal já aprovado, porém exigimos uma posição definitiva do governo brasileiro”.

Atraso prejudica novos investimentos na fronteira

Segundo ele, outro reflexo do atraso na construção da segunda ponte é o represamento de investimentos na fronteira. 

“ A iniciativa privada quer infraestrutura e o gargalo da ponte inibe o escoamento da produção, aumenta o custo de armazenagem e de estadias. Alguns clientes nossos têm demonstrado interesse em diversificar investimentos na área de armazenagem e estocagem, mas também estão inseguros com a indefinição e pela falta de uma dinâmica mais rápida com o Paraguai”, declara.

Por outro lado, o empresário Shariff Hammoud, dono da Monalisa, uma das maiores lojas de departamentos de Cidade do Leste, aguarda a definição das obras da segunda ponte para iniciar a construção de três hotéis de luxo no país vizinho. 

Hammoud tem endereços comerciais em mais de 80 países e defende não apenas a construção da segunda ponte: quer que a região seja cortada por diversas travessias, tal qual ocorre no primeiro mundo. “Por tudo o que faz em favor do Brasil, a região Oeste merece muito mais do que está sendo feito”, cobra.

Chefe do DNIT confirmou a vereadores que o inicio da licitação ocorreria em julho

A Comissão formada pelos vereadores Gessani da Silva (PP), Nilton Bobato (PCdoB) e Rodrigo Cabral (PSB), se reuniu em maio com o diretor do DNIT em Foz do Iguaçu, engenheiro Vicente Veríssimo.



Sobre a construção da segunda ponte,Veríssimo informou, na época, que o processo de licitação estava adiantado e o edital devia ser lançado até o mês de julho. Já o início da obra “é provável que ocorra em até seis meses”, afirmou o engenheiro. A entrega da ponte está prevista para 2015. 

A nova ponte ficará localizada a 570 metros antes do encontro dos rios Paraná e Iguaçu e próxima a ponte de acesso à Argentina. Com pistas específicas para veículos de quatro ou mais rodas, para motocicletas e com passarela para pedestres, a ponte terá 740 metros de extensão, 136 metros de altura e 19 metros de largura.

Com Informações de O Paraná



Nenhum comentário: