15 de ago de 2011

Estado "assume" que não tem dinheiro para construir trincheira em Foz



Após a manifestação pedindo viadutos na BR 277, realizada na última sexta, 12, o Governo do Estado anunciou, através da Assessoria de Imprensa, que o  secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, vai a Brasília na quinta-feira (18) solicitar a construção de trincheiras no perímetro urbano da rodovia em Foz do Iguaçu, acesso a Ponte da Amizade.

A informação confirma, em tese, que o Estado não possui recursos para construir a trincheira, avaliada em R$ 1,2 milhão, conforme projeto (foto) apresentado pela prefeitura a Ecocataratas e ao DER (Departamento de Estradas e Rodagem) ainda em 2010. Caso contrário não haveria necessidade do secretário ir atrás de recursos em Brasília.

O impasse segue desde o ano passado. Com a instalação da UNILA na região Norte da cidade, e ainda o aumento da frota de veículos nos últimos anos, os trevos na BR 277, que ligam alguns dos principais bairros de Foz, a construção de viadutos ou trincheiras tornou-se imprescindível.



Desde o ano de 2009, uma Comissão de Estradas, foi formada na Câmara de Vereadores, presidida pelo por Nilton Bobato, para tentar resgatar o histórico da questão e apurar a responsabilidade pela falta de viadutos ao longo da rodovia. Não é exagero dizer que houve omissão e irresponsabilidade dos gestores da época em que foi construído o viaduto da Avenida JK, em 1992.

Isso porque, por exemplo, no trevo da BR 277 com Avenida Paraná existe uma estrutura enterrada. Ou seja, estava prevista a construção de viaduto no local. A informação foi confirmada pelo deputado Reni Pereira.

Porém, a Ecocataratas, concessionária responsável pela BR 277, diz não ser responsável pela obra, porque não constam no contrato com o Governo do Estado. Por outro lado, o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte) não sabe especificar se as obras estavam ou não previstas quando a União repassou ao Estado a responsabilidade pela rodovia, que mais tarde foi pedagiada.

Ao que consta, a obrigatoriedade de realização das obras nos trevos das Avenidas Paraná e Costa e Silva e no Jardim Jupira, foram retiradas do contrato entre o Estado e a Ecocataratas na última negociação do governador Roberto Requião com a concessionária.
Agora a Ecocataratas se propõe a construir as trincheiras ou viadutos se houver aumento no prazo de contrato do pedágio.

Até a Câmara de Vereadores entrou nesta novela. O presidente Edílio Dall’Agnol se comprometeu a devolver parte dos recursos economizados pelo Legislativo para execução da obra.



Na semana passada, representantes da prefeitura conversaram com diretores da Ecocataratas, que sinalizaram apoiar a construção de uma trincheira, mas com uma participação financeira muito pequena, deixando o maior custo da obra para a prefeitura, que se prontificou a doar o projeto e apoiar a edificação.

Na audiência que está agendada com o novo ministro dos Transportes, Sérgio Passos, o secretário defenderá a necessidade da obra, que entende ser de grande importância para o município. 


“É um momento importante para pensar programas de transporte e reforçar a viabilização de trincheiras na BR-277”, disse o secretário, ressaltando que infraestrutura e logística fazem parte das câmaras temáticas do futuro órgão intergovernamental. 

Aguardem cenas do próximo capítulo...

2 comentários:

Gersão disse...

Vou pegar meu banquinho e esperar pra ver...

William disse...

Os cidadãos de Foz do Iguaçu merecem passar por isso!
Pois,não sabem eleger representantes a altura da cidade.
Tirem como exemplo a cidade de Cascavel que esta em fase de término do viaduto na br 277 e de diversas obras que conseguem graças a representatividade de seus deputados federais.
Povo de Foz do Iguaçu! Continuem votando em Giacobos da vida e verás a sua cidade cada vez mais abandonada!